Busca Local e o Namorado Canalha

18 Apr

Olá SEOs!

Já que eu adoro uma saia e sou uma Analista de SEO, imagino que eu esteja dentro do perfil para escrever por aqui. Prazer, Polyana. Não se preocupem, não vou listar os tipos de saia que ando pesquisando (bandage, tulípa, mini, cintura alta…), mas sim falar, com um pouco de humor e ironia, de um assunto super pertinente para nós SEOs hoje: Busca local. 

Eu escrevi este post há algumas semanas para o MobileLocalSocial um blog (o nome é auto-explicativo, não?) bem bacana, com a pergunta Local Search for Non-Local Searches?. O post é em inglês e focado no mercado gringo.

Mas aí parei e pensei um pouco, chegando a conclusão que eles não têm nada a ver com o “problema” que eu encontrei e que o assunto é mais problemático para buscas locais em outros países, como o nosso querido .com.br. Este post é uma tradução com base no post original adicionando algumas referências super femininas para combinar mais com o SEO de Saia ;-). Espero que gostem.

Como eu sou uma mulher que “sabe o que ela quer”, vamos direto ao assunto?

TPME estas buscas locais do Google, hein? Estão piores que homens canalhas quando eu estou de TPM, aqueles que inventam desculpas para me enrolar.

Antes eu falava que queria carinho, e ele me manda foto de cachorrinho. Depois eu falo que quero assistir uma comédia romântica, e ele me manda o trailer. Aí agora quando eu falo que quero tomar um cappuccino na Kopenhagen, ele me manda um mapa da Dinamarca?! o_O Páraaaaa!!!.

Mês passado no SMX West, alguém perguntou o Carter Maslan, Diretor de Gestão de Produtos para o Google Local, o que fazer se a empresa dele não tiver um espaço físico [para seus usuários]? A resposta do Carter foi direta “Não crie uma página de Places se você não tiver um espaço físico. Se as pessoas podem te ligar e te visitar, crie.”.

Bacana, Sr. Maslan, mas e aí? E se as palavras mais importantes para o meu negócio estão trazendo resultados locais que não estão relacionadas? E se eu não tenho local para receber os meus usuários, fico sem página mesmo? E se a palavra não é lá tãooo local assim?

Eu trabalho para um site de classificados de empregos (fiz o anchor text malandro sim, não sou boba!), e nós estamos sofrendo com algumas palavras, e acredito que vocês também sofram o mesmo problema em diversas categorias.

Em buscas onde normalmente estamos em 3° ou 4° lugar, estamos sendo rebaixados para abaixo da dobra, e perdendo tráfego. Tudo bem, eu dou um pouco de razão ao Google que o Local não está 100% ainda, mas estes resultados estão por aí faz tempo. Será que o CTR das buscas locais está tão alto assim?

Não sei, mas me interessei pelo assunto e fiz uma pesquisa básica de benchmarking, para ver se este tipo de resultado era universal ou se o Google estava com frescura.

A pesquisa é simples. Eu fiz algumas buscas para palavras com traduções precisas (podem confiar, eu sou meio gringa), no “.com” através do meu amigo que mora nos EUA, em Connecticut (para garantir que o IP era de lá!), e as buscas em português no “.com.br” aqui na minha máquina em São Paulo.

As buscas são de um mês atrás, mas pelo o que eu vi, não mudou muita coisa não. Se vocês estão com resultados diferentes, compartilhem nos comentários.

Vejam os resultados das buscas:

empregos vs. jobs
Para quem trabalha no mercado de site de empregos, vocês sabem que esta é uma das palavras mais concorridas para nós!

empregos

busca empregos

(Nestlê, oi? É tão bom assim trabalhar lá?)

jobs – cadê o mapa aí?!

busca jobs

saúde vs. health = WTF?

busca saúde

busca health

shopping vs. mall
Shopping, o prédio infestado por lojas com preços inflados, no Brasil não é a mesma coisa que shopping, o verbo para “fazer compras”, nos EUA. Lá é “mall”.

Aqui, não temos resultados locais para shopping. Lá tem para mall. Faria mais sentido ter um mapinha, não?

busca shopping

busca mall

Walmart vs…. Walmart
E uma empresa que é quanto on quanto offline nos dois países? … a mesma bizarrice.

Walmart (.com.br)

walmart.com.br

Walmart (.com)

walmart.com

Tá bom, pra que essa festa toda de print screen?

Conclusões

Minhas conclusões são levemente óbvias.

  1. Algumas pesquisas que deveriam ser locais no Brasil, não estão aparecendo como locais. E as que não precisam, estão. Ou estão ranqueando resultados não relevantes para a palavra? (já sentiu a birra com “empregos”, né?).
  2. Pesquisas locais no Brasil parecem estar erradas caminhando, onde em geral, as buscas nos EUA estão mais alinhadas com o intuito local do usuário.

Tá bom, tá bom, o Google não é perfeito. Sabemos isso pelo parâmetro “site:”, mas se já tem gente que venera a empresa, imagina se não houvesse erro?

Porém, isto impõe alguns problemas para profissionais de SEO que estão perdendo posicionamento e precisam explicar o porque para a diretoria da empresa ou para o cliente.

E aí? E agora José? O círculo vicioso continuará…

E agora José?

  1. Sites que não têm locais “disponíveis” começarão a criar páginas de Local (eu e você já começamos, nem vem) para recuperar sua visibilidade nas SERPs.
    Causando… SPAM e pessoas aparecendo em prédios comerciais querendo comprar serviços que só têm online (eu exagero, eu sei).
  2. Estes sites vão começar páginas de locais fisícos na net e apontar para a página Local do Google deles. Isso eu não fiz ainda… nem sei se quero ou recomendo.
  3. Os usuários vão ficar muito confusos. Mais do que já são.
  4. Os buscadores vão ficar “chateados” com este comportamento e punir estes sites.

… e voltamos ao primeiro passo com mais um algoritmo fazendo que nossas vidas sejam mais emocionante, frustrantes, desfiantes e divertidas.

Só para entenderem melhor: vamos voltar à analogia Google = Homem Canalha. É como se você fizesse tudo do jeito que ele pediu, mesmo não querendo mas pra agradar, e ele vai e além de te dar um pé na bunda… te troca por outra, uma vaca, que não tem nada a ver com você! (Funciona para Google = Mulher Canalha também!)

E vocês? O que vocês acham do “estudo”?

Não estou descartando todas as buscas locais, mas para as palavras estudadas e talvez outras buscas que vocês têm encontradas, o estudo é válido? Seu site também está sofrendo?

… Talk to me? Se me ajudarem com seus insights, nem peço carinho, filmes toscos ou chocolate + cafeína apesar da TPM, prometo com dedos cruzados.

ps – muitos thanks ao Camilo e a Drica por ter me ajudado com o Portuguese do post!

Sobre a Polyana
Mineira criada nos EUA, é formada em Relações Internacionais, e hoje trabalha com SEO em SP. Em 2007 percebeu que não tinha como sobreviver com o salário de centro de pesquisa, e como gosta de escrever, começou a trabalhar com copywriting para SEO na CLICROI como freela. Em 2008, voltou para o Brasil e se aprofundou em SEO na Media Contacts, em São Paulo. Hoje é Analista de SEO na Catho Online. Especialista em SEO internacional, botecos paulistanos, conteúdo web, como sobreviver americanizada no Brasil, SMO e frugalidade.
Persigam ela aqui: SiteBlog, LinkedIn, Twitter: @_polyana


12 Comentários to “Busca Local e o Namorado Canalha”

  1. Leandro April 18, 2011 at 10:04 am #

    Muito estranho mesmo os resultados serem tão diferentes, fiz a busca por empregos, e me retornou uma SERP bem poluida, com local e noticias, embora até sejam relevantes algumas empresas de RH, acho que a Google tá perdendo um pouco da intuitividade da SERP, acho que umas das coisas que fez o Google ser a gigante que é foi a simplicidade, eu não gosto dos mapas, se quero fazer uma busca local, deixemem escolher! Parabéns pelo post.

  2. Michael Garcia April 18, 2011 at 10:39 am #

    Eu achei demais Poly ahahahahhaa ri bastante e concordo com você, gostaria de abordar aqui que a melhor forma que encontrei para tudo isso funcionar, é com microformatos, os microformatos locais hoje tem funcionado melhor do que o próprio sistema de Local Search do Google. Testem vocês.

  3. Richard Jesus April 18, 2011 at 11:35 am #

    Muito bom o texto Polyana, realmente o Google Brasil é BEM diferente ao Google apresentado lá fora.

    Sempre reclamei do Google Shopping que aqui é inexistente, mas nunca havia reparado que no places a diferença era tão brutal.

  4. Carol Ramalho April 18, 2011 at 11:41 am #

    Adorei a analogia, Poly! :)

    Eu sou uma das que têm dúvidas sobre trabalhar keywords para buscas locais quando não se tem um espaço físico.. no final das contas não existe conclusão e qualquer coisa que fizermos neste sentido vai resultar em uma grande bagunça.

    Talvez a solução seja estudar como os resultados são apresentados para aquela busca específica e focar principalmente em link building, sem, neste caso, dar tanta ênfase à ações on-page ou criar mapas para locais que não existem fisicamente.

    Antes uma 8a colocação que perde para mapas do que uma 1a posição punida, né? Ou não é? hehehehehhe

  5. Renata Tibiriçá April 18, 2011 at 12:20 pm #

    Oi Poly! Muito bom mesmo o post!
    As diferenças entre o Google Br e o US são bem grandes mesmo (até comento bastante disso no meu último post aqui, no caso dos microformats), mas não sabia que chegava a esse ponto para buscas locais.
    O que me pergunto é: seria isso pelo fato do algoritmo do BR ser mais “fraco”? Ou seria pq aqui se faz spam mais “naturalmente” e com mais facilidade do que no Google US?!

    Beijos e volte sempre a escrever por aqui! Adoramos! =D

  6. Pablo Almeida April 18, 2011 at 12:27 pm #

    Esse lance de trabalhar com Local Search já me afetou bastante quando eu trabalhava no Mundi em 2010. O fato de trabalhar no mercado de Turismo como comparador de preços de passagens, hotéis, etc., naturalmente, já me coloca em uma tremenda desvantagem em milhões de SERPs, a solução que encontrei foi investir forte em Link Bulding para página internas e long tail. Deu muito certo e não precisei apelar ao Places fazendo spam! Afinal de contas, se alguém ligasse para a empresa ou batesse lá na porta, era o meu emprego que estaria em jogo! 😛

    Existem várias formas de jogar limpo…é só ter um pouco mais de concentração. Às vezes, a solução está na nossa cara e a gente não enxerga! 😉

  7. polyana April 18, 2011 at 1:20 pm #

    opá! só deu pra ver tudo agora, então vou escrever um comment só para responder à todos.

    Primeiramente, muito obrigada pelos elogios. Fico muito contente MESMO que curtiram o post! :-)

    @Leandro – você disse tudo! Falta intuitividade 😛

    @Michael – haha, vc já sabe que fazer rir é meu forte 😛 – vou tentar o esquema de microformatos em outros sites sim. valeu a dica queridô!

    @Richard – É tudo muito diferente, somos um pouco ignorados, acho, rs. Mas aí complica quando as “regras” são as mesmas ou não bem definidas… e Google Shopping seria TUDO aqui. Deve ter algum pacto com o Buscapé pra não ter, rs.

    @Carol – Estamos fazendo de tudo para usar LB mesmo – por enquanto, achamos que é a única solução “digna” rs. Vamos ver se cola, se rolar, escrevo outro post com os resultados! 😉 Valeu!

    @Renata – Não sei se é SPAM. Já vi muito site gringo expert em SPAM natural também, rs. Eu sou mais da escola de pensamento do 1° – mas fazer o que, né? Como eu disse para a Carol, é só fazer algo que dizem que funciona, e vamos que vamos, rs. E pode deixar que escrevo mais sim -falta inspiração & tempo só!

    @Pablo – Como eu já disse, acho justo o lance de links. O problema é que essa confusão toda do places começou esse ano =/ Se fosse tão fácil assim… rs

    Obrigada mesmo pelos comentários!!

    beijosss.
    -poly.

  8. Luiz Almeida April 18, 2011 at 3:51 pm #

    Muito bom!

    Adoro ler estes artigos comparando o que acontece no “nosso” Google o no gringo. Querendo ou não estamos atrasados em algumas questões tecnológicas, por motivos óbvios.
    Pore´m o que se faz muito aqui é escrever artigos baseando-se em novidades apresentadas pelos fanfarrões do Google sem levar em consideração que estamos em outro ritmo que eles.
    São bases de dados diferentes.

    Ótima idéia comparar as buscas!

    Beijos Poly!

  9. polyana April 18, 2011 at 5:19 pm #

    valeu luiz!! e é verdade isso mesmo – temos que parar de replicar os assuntos lá fora e focar na nossa realidade pq realmente é completamente diferente! rs -beijoss.

  10. Bruno April 18, 2011 at 6:27 pm #

    Interessante o artigo Polyana …

    O mestre Grizzly já havia mencionado uma vez sobre os resultados de local do google e como eles são uma opção para quem tem loja de verdade para se conseguir um bom backlink

    Agora, algo que estava pensando esses dias era sobre o algoritmo do google nos EUA (em ingles num geral na verdade) e para outras linguas.

    Será que ele funciona exatamente igual??

    Por ex, o google panda quando saiu, saiu de inicio só para os EUA. Agora que está chegando nos outros países. Isso faz eu me perguntar como será que funciona exatamente …

    As vezes tenho a impressão que aqui no BR ele não é tão bom como nos EUA, mas pode ser uma pura e simples impressão pois a competição por aqui é BEM mais fraca …

    O que você acha?

    Beijos,
    parabens pelo post.

    • polyana April 19, 2011 at 8:53 am #

      oi bruno! eu acho que não é a mesma coisa/algoritmo sempre – mas também que tudo que é “lançado” no .com, chega no .com.br em algum momento ou outro. querendo ou não, é mais fácil mexer em buscadores English speaking por a maioria dos engenheiros dos buscadores serem baseados nos EUA ou países que têm o inglês como idioma oficial. mas como vários outros produtos do google, eventualmente, chega aqui para nós, em português. só espero que esse lance do local seja “reavaliado” aqui, rsrs. obrigada! beijoss.

  11. Rodrigo Sampaio May 14, 2011 at 8:02 am #

    Seu contato que fez a busca pelos EUA usou qual idioma? Se tiver feito no inglês, talvez esse seja o motivo de o google não ter apresendo os sites locais aqui do brasil.

Deixe um comentário